Torcedores do Santa irão recorrer para que assembleia sobre estatuto aconteça

O grupo de torcedores do Santa Cruz que reuniu assinaturas de sócios do Tricolor para realizar uma assembleia geral, onde aconteceria a votação para a possível mudança no estatuto do clube, teve acesso na manhã desta quinta-feira, a liminar que cancela a assembleia. O documento foi obtido por conselheiros e ex-presidentes do Santa, que alegam que a assembleia foi convocada sem que todos os trâmites previstos no estatuto atual tivessem sido cumpridos. Agora, os torcedores se estruturam para recorrer judicialmente e garantir a realização do evento.

“Analisamos o processo. Era uma manobra já esperada, sabíamos que essa estratégia seria usada, apresentar um recurso faltando pouco tempo para a assembleia, para que o desembargador não tivesse tempo de nos ouvir e decidir baseado apenas nos argumentos distorcidos deles. Foi o que aconteceu”, comentou o integrante do IPC, Jhonny Guimarães.
Com planos de adiamento, por conta da pandemia do coronavírus, a assembleia estava programada inicialmente para ocorrer neste fim de semana. Por isso, os torcedores não sentem que a causa foi prejudicada. “Se fosse acontecer neste domingo, a nossa ação de contenção seria outra. Estaríamos fazendo plantão dia e noite no tribunal de Justiça. Eles fizeram um gol no intervalo do jogo. A assembleia já seria suspensa”, complementou.
Defendendo a atitude de ter reunido assinaturas para que, então, a assembleia pudesse acontecer e consequentemente as mudanças no regimento coral pudessem ser votadas, Jhonny relembrou os três caminhos que o estatuto vigente da Cobra Coral fornecem, nesse caso. Dizendo ainda que os conselheiros e ex-presidentes, ao apresentarem o documento à Justiça, omitiram informações.
“O argumento que eles utilizam é praticamente o de existir no Conselho Deliberativo uma proposta de reforma do estatuto e que nenhum outro poder poderia tratar sobre esse tema, até que o Conselho resolvesse. Na verdade, eles alegam que o único caminho para se reformar o estatuto é através do Conselho Deliberativo, o que não é verdade. O próprio código civil reconhece a legitimidade do sócio para fazer essa convocação, e o estatuto do Santa reconhece que existem três caminhos: pelo poder Executivo, pelo Deliberativo e através da convocação feita pelos sócios. O estatuto prevê essa possibilidade, mas quando eles prepararam essa peça e levaram o recurso ao desembargador, omitiram informações importantes e ilustraram um cenário que só o Deliberativo teria essa autonomia”, afirmou.
Confiante, Jhonny reafirmou que a liminar não afetou o planejamento do grupo, já que a tendência era mesmo que a assembleia não acontecesse no período atual, diante da pandemia. Por fim, ele falou em resolver a situação na justiça e ter uma nova data para realizar a votação. “Como o desembargador não teve tempo de ouvir a outra parte, de analisar mais, a decisão foi proferida. Para evitar prejuízos futuros, se suspende a assembleia até que se entenda melhor o problema. Vamos fazer a explicação hoje e temos confiança plena de que isso vai ser revertido em poucos dias. Essa suspensão da assembleia já tinha sido feita pelo nosso grupo, em razão do coronavírus. Não altera em nada. E daqui para o fim desse surto, vamos resolver isso judicialmente e conseguir marcar a data”, finalizou.
Compartilhe: