Mais de 80 agremiações participam do ato Amor em Bloco em Olinda

Um dia após a passeata que ocorreu no centro do Recife, os defensores da candidatura do presidenciável Fernando Haddad (PT) percorreram, neste domingo (21), algumas ruas do Sítio Histórico de Olinda. O movimento político, intulado Amor em Bloco, reuniu cerca de 20 mil pessoas, segundo cálculos da organização, e contou com a presença de mais de 86 blocos e agremiações carnavalescas. A Polícia Militar não fez estimativas de público.

No ato foi possível observar diversas pessoas com camisas que faziam alusão ao ex-presidente Lula, à defesa da democracia, empoderamento feminino, causas LGBTs, entre outras. O arquiteto Aubiergio Costa estava caracterizado como Dick Vigarista, um tradicional personagem de desenho animado. Aos presentes, ele ironizava a denúncia de uso indevido do whatsapp em prol da campanha de Bolsonaro. “Eu fiz uns pacotes aí no zap (sic)… todos sabem, tô com a faixa presidencial graças às fake news do zap”, afirmou.
A caminhada teve início com um forte grito de “olê, olê, olê, olá, Lula, Lula”, seguido por gritos em favor de Fernando Haddad, com menor intensidade. Durante o evento, a reportagem não observou confusões. Houve apenas vaias quando o desfile passou em frente a uma residência onde havia uma camisa de Jair Bolsonaro pendurada na varanda e alguns gritos de ‘ele não’ quando três pessoas vestidas com camisas de Bolsonaro ficaram paradas na rua, observando a passagem dos manifestantes.
Houve uma alteração de última hora no percurso previamente planejado. “A intenção era passar em frente ao Homem da Meia-Noite”, explicou Fernando Lima, um dos organizadores do bloco Eu Acho é Pouco, que esteve à frente do movimento. “Foi uma ideia interna nossa. Começamos a convidar blocos mais próximos e de repente o movimento começou a crescer”, destacou. O evento contou com a presença de lideranças políticas, a exemplo do presidente do PT em Pernambuco, Bruno Ribeiro, da deputada estadual Teresa Leitão (PT) e da ex-candidata ao governo de Pernambuco Dani Portela (Psol).
Manifesto
Mais cedo, houve a distribuição do manifesto “Tortura Nunca Mais”, junto ao monumento homônimo, localizado na Rua da Aurora. O documento defende a conscientização da sociedade em prol da preservação da democracia, valorização e respeito das individualidades, sem intolerância ou atos de violência.
Compartilhe: