Incógnita, Tiago Cardoso tem chance de se reafirmar

O maior símbolo do renascimento do Santa Cruz na década está de volta ao Arruda. Multicampeão e ídolo, Tiago Cardoso foi oficializado pelo Santa Cruz, na última quinta-feira (9), para defender mais uma vez a meta da Cobra Coral e tentar reescrever um capítulo da sua primeira passagem: recolocar o Tricolor nas primeiras divisões do futebol nacional e na disputa por troféus. A princípio, o acordo satisfaz as aspirações de todos os lados. A diretoria reforça o elenco com uma referência e mobiliza a torcida; o goleiro, por sua vez, pode enxergar o regresso como a melhor maneira para se reafirmar debaixo das traves.

Para explicar os anos posteriores à saída de Tiago Cardoso do Santa, vale contextualizar a separação polêmica entre ídolo e clube. Após o rebaixamento do Tricolor na Série A em 2016, quando o arqueiro teve as atuações criticadas ao longo da campanha e foi reserva em três oportunidades, o relacionamento com parcela da torcida já não estava saudável. Um mês depois de se despedir através de um vídeo através das redes sociais, ele acertou com o Náutico.

A partir daí, alguns corais o rotularam negativamente e um ponto final na história de Cardoso no Santa estava sendo posto. No Timbu, ele assumiu a vaga deixada por Julio César – que foi contratado pelos tricolores -, mas não agradou. Foi titular em 31 jogos e sofreu 36 gols. Em julho de 2017, pediu para sair alegando problemas pessoais.

Curiosamente, Cardoso retomou a boa forma em outro tricolor, o Botafogo/SP, em 2018. O goleiro atuou em 27 jogos – sendo 12 pelo Campeonato Paulista e 15 pela Série C – e foi vazado 24 vezes. Naquele ano, o clube de Ribeirão Preto conquistou o acesso à Série B, com o atleta contribuindo diretamente na campanha excepcional dos paulistas, após defender o pênalti derradeiro contra o Botafogo/PB que resultou na subida.

O caráter decisivo e as defesas cruciais na temporada chamaram a atenção do Goiás, que procurava na reta final da Segundona uma reposição experiente para o lugar do contundido Marcelo Rangel. A saída repentina do atleta, antes das semifinais do campeonato, foi motivo de aborrecimento por parte dos dirigentes do Pantera. Em menos de seis meses, Cardoso descolou mais um acesso, após o Esmeraldino reagir na tabela e figurar no G4. No entanto, o piauiense não conseguiu emplacar uma sequência de atuações e jogou apenas duas partidas, levando um gol em cada uma. Apesar do desejo em permanecer para a Série A, ele não entrou no planejamento dos goianos e ficou livre no mercado.

O futebol paulista surgiu novamente na carreira do goleiro em 2019. Buscando a visibilidade do Estadual mais rentável do Brasil, acertou transferência para o Mirassol, mas acabou não sendo o que esperava. Tiago Cardoso foi titular quatro vezes no Paulistão, sofreu sete gols e, depois do fim da competição, voltou para o Botafogo/SP. Mesmo prestigiado pela torcida do Pantera, não entrou em campo nenhuma vez na Série B. Cardoso desembarca no Recife sem ritmo de jogo e a idade pode não permitir as mesmas apresentações do auge, mas a expectativa da torcida e dirigentes é que ele seja capaz de encarar as interrogações sobre si e provar que ainda tem capacidade para repetir a história.

Compartilhe: