Governadores são exterminadores de emprego, diz Bolsonaro

Jair Bolsonaro negou que as iniciativas de combate à covid-19 do governo tenham demorado. Em entrevista ao programa Domingo Espetacular, da Record TV, o presidente falou o surto do coronavírus no Brasil e também sobre as críticas que têm recebido do governador de São Paulo João Doria. “Tem que lembrar que em fevereiro ele estava na Sapucaí do Rio de Janeiro“, disse, referindo-se à exposição que o governador teve com aglomerações, atitude contrária às recomendações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde. “Nós não podemos politizar isso”, concluiu.

Perguntando se ele teria adiado ou cancelado o Carnaval, o presidente respondeu que os governadores poderiam ter proposto isso para ele, mas não confirmou se seguiria proposta. Bolsonaro negou que tenha criticado o trabalho dos governadores e disse que é atacado constantemente por eles, que “fogem de suas responsabilidades”. O presidente disse ainda que a grande mídia o ataca da mesma forma e que “brevemente a população verá que foi enganada pelos governadores”, a quem o mandatário chamou de exterminadores de emprego. “É uma crise pior que o coronavírus pode trazer ao País”.

Sobre as favelas, Bolsonaro não comentou nenhuma medida específica para ajudar no combate do contágio da covid-19, a não ser “evitar a situação”. Nas últimas semanas, a Comunidade do Alemão alertou sobre a falta de água, de álcool em gel fazendo o uso de uma hashtag nas redes sociais.

Ainda na entrevista, o presidente falou também sobre os panelaços que têm ocorrido em todo o País. Bolsonaro disse não estar preocupado com sua popularidade e falou que atitude foi “incentivada” pela mídia, “endossado pela revista Veja e por outros órgãos da imprensa”.

 

Compartilhe: