Bolsonaro cobra da PF explicações sobre facada que sofreu em Juiz de Fora

Em vídeo postado nas redes sociais neste domingo (10), o presidente Jair Bolsonaro cobrou da Polícia Federal explicações sobre o atentado a faca que sofreu em Juiz de Fora (MG), em setembro passado, durante a campanha presidencial. O autor da facada, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso logo após o ataque, mas Bolsonaro acredita que ele agiu a mando de terceiros.

Após dizer que admira e tem orgulho da Polícia Federal, Bolsonaro afirma no vídeo que espera por explicações “nas próximas semanas”. “Esse crime, esse ato terrorista, praticado por um ex-integrante do PSol, não pode ficar impune”, afirma. E acrescenta: “Espero que a polícia mostre, com dados concretos, quem foi ou quem foram os responsáveis por determinar que o Adélio praticasse aquele crime lá em Juiz de Fora, em setembro passado”.
No começo do vídeo, Bolsonaro agradece os médicos do Hospital Albert Einstein, onde se recupera da cirurgia de retirada de uma bolsa de colostomia, e dos médicos que o atenderam emergencialmente na Santa Casa de Juiz de Froa. Depois, promete melhorar o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS). “Pouca gente pode ter um tratamento como esse (que estou recebendo), mas sabemos que o SUS pode melhorar muito e vamos trabalhar para isso.”
Recuperação

Bolsonaro fez nova caminhada neste domingo, pelos corredores do hospital Albert Einstein, onde está internado desde 28 de janeiro. Segundo a assessoria de imprensa do governo, o presidente segue recomendação de aumentar a duração das caminhadas e, desde ontem, realiza cinco voltas nos corredores, em passo mais firme e rápido.
Ainda segundo a assessoria de imprensa, Bolsonaro continua em alimentação cremosa. A informação preliminar é que o presidente não receberá visitas de autoridades hoje. Estão com ele no quarto a primeira-dama, Michele Bolsonaro, e o filho Carlos Bolsonaro. O boletim médico com as atualizações sobre a saúde do presidente deve ser divulgado às 17h.
O presidente comemorou ainda, em seu Twitter, dados melhores de confiança da indústria e do comércio. Segundo ele, “com as implementações dos estudos da Secretaria Geral Adjunta de Desburocratização, Gestão e Governo Digital ligada ao Ministério da Economia, tudo vai melhorar muito mais”. Com informações da Agência Estado
Compartilhe: