Após reunião, Santa Cruz vai negociar férias individualmente com cada jogador do elenco

Para o Santa Cruz, assim como os demais clubes da Série C do Campeonato Brasileiro, as negociações das férias serão individuais com cada atleta do elenco. Pelo menos foi o que garantiu o presidente da Cobra Coral, Constantino Júnior, após a reunião com os demais mandatários da competição. Assim, será feito de forma diferente às Séries A e B, onde o Sindicato dos Jogadores faz o intermédio.

As negociações com os atletas não serão feitas via sindicato. Cada clube irá fazer sua proposta para o seu elenco”, iniciou Tininho em entrevista à Rádio Jornal. “É mais justo. Cada clube tem sua realidade. E dentro do próprio elenco existem milhões de realidades diferentes”.
Tininho sugere que o caminho seguido torna as coisas mais equilibradas dentro do elenco Tricolor, de forma que, no fim, cada jogador tenha a situação resolvida de maneira minimamente satisfatória. “Tem jogadores que subiram agora. Tem jogadores que têm uma condição salarial mais baixa. E (tem) outros (jogadores) com uma condição mais confortável. A individualidade deve ser prezada neste momento. Então, nesse caso, iremos tratar passo a passo”, finalizou o presidente.
Os clubes da Série C têm se reunido recentemente através de videoconferência não apenas para definir as diretrizes dessa negociação das férias e dos salários, mas também para pleitear auxílios financeiros da CBF, o que, de acordo com o vice-presidente do clube, Tonico Araújo, foi conseguido na última sexta-feira. Outro exemplo de união entre as equipes da Terceirona foi o documento conjunto assinado por 16 capitães de cada clube reforçando reforçando este apelo.
Negociações nas Séries A e B
Diferentemente da Série C, como afirmou Tininho, os clubes da Elite e da Segundona nacional irão negociar com os jogadores de maneira uniforme, ou seja, os mesmos termos para cada um. Após duas rodadas de conversas com o sindicato, foi acertada a redução de 25% dos salários e, após o período de férias – que será de 1º até 20 de abril, podendo ser ampliado por mais dez dias -, caso as competições continuem paralisadas por conta da pandemia do coronavírus, os direitos de imagem de cada jogador podem ser suspensos – ainda será mais discutido.
Compartilhe: